DETALHES DA NOTÍCIA - Itaú adia resposta sobre reajuste do PCR

Em reunião com a Comissão de Organização dos Empregados (COE), na tarde desta quinta-feira (6), em São Paulo, o banco Itaú não apresentou a resposta sobre as propostas sobre o reajuste do valor das bolsas de estudo e sobre o Programa Complementar de Resultados (PCR).

O banco não deu uma nova data para a apresentação da resposta, mas uma nova reunião deve ser agendada ainda para 2018.

“O banco ainda está estudando a proposta. Esperamos que na próxima reunião isso seja resolvido e, quando for pago, o PCR a o valor venha com o valor calculado da forma como pedimos”, disse o diretor da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) e coordenador da COE do Itaú, Jair Alves.

“Nos nove primeiros meses de 2018 o Itaú obteve um lucro líquido de R$ 19,255 bilhões. É possível avançar na proposta e oferecer um pouco mais para seus funcionários”, ressaltou o secretário de Assuntos Jurídicos da Contraf-CUT e membro da COE do Itaú, Mauri Sergio Martins de Souza.

Bolsas de estudos
Com relação às bolsas de estudos, os trabalhadores reivindicam o reajuste do valor, que atualmente vai até R$ 390,00, e também o aumento do número de bolsas concedidas. Hoje o banco concede 5.500 bolsas. “A demanda por bolsas de estudo é muito maior. Para 2018, houveram 8.742 inscrições. Toda empresa tem interesse que seus funcionários busquem formação para poderem atender seus clientes. A bolsa de estudo é um incentivo para que isso aconteça”, reivindicou o secretário de Assuntos Jurídico da Contraf-CUT.

Turnover
O banco também apresentou os dados sobre o número de demissões e de contratações de funcionários (turnover) em 2018. A taxa de tounover ficou em aproximadamente 10%. “No saldo o banco contratou mais do que demitiu neste ano, mas os novos funcionários entram ganhando muito menos do que os demitidos. O banco reduz o ganho dos funcionários e aumenta seu lucro. Os funcionários se sentem desvalorizados e ficam inseguros. Isso não contribui em nada com o clima no ambiente de trabalho”, criticou Mauri.