DETALHES DA NOTÍCIA - PIS: Contraf-CUT cobra respeito aos empregados

A Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) recebeu denúncia em diversas partes do país de que todos os empregados da Caixa foram convocados a entrar duas horas mais cedo conta do calendário de saques do PIS. Em contato com o banco, a entidade foi informada que aqueles trabalhadores que acordaram com o gestor a ampliação da jornada receberão 100% das horas extras. A Contraf-CUT alerta que a ampliação deve ter anuência do empregado e que o mesmo não deve aceitar pressões e nem qualquer tipo de retaliação por conta de uma possível recusa.
“Procuramos a Caixa e fomos informados que, por enquanto, a antecipação da abertura de agências é prevista para apenas dois dias e que, depois, o banco vai avaliar a demanda. Além disso, os empregados receberão 100% das horas extras. Entretanto, é necessário que fique claro para o trabalhador da Caixa de que ele deve ter liberdade, sem pressões ou retaliações, para aceitar ou recusar a ampliação da jornada”, enfatiza o coordenador da Comissão Executiva dos Empregados da Caixa (CEE/Caixa), Dionísio Reis.

O dirigente também critica o fato de que os empregados foram informados da mudança de horário sem qualquer antecedência. “Foram convocados a entrar mais cedo as 17h30 do dia anterior. A Caixa tem de entender que, mesmo pagando as horas extras, as pessoas possuem compromissos, se planejam para conciliar a vida profissional com a pessoal. O banco não pode de um dia para outro impor uma alteração de horário”, diz Dionísio.

O coordenador do CEE/Caixa lembra que os empregados da Caixa, assim como suas entidades representativas, valorizam o compromisso de bem atender a população. “Como trabalhadores de um banco público, e defensores de uma Caixa 100% pública, os empregados da Caixa possuem o compromisso de atender da melhor forma possível a população. Entretanto, esse compromisso não se limita a ampliação de horário em situações específicas de maior demanda, que devem ser acordadas, e não impostas de forma unilateral. Esse compromisso é evidenciado, principalmente, na cobrança que fazemos em relação a realização de novos concursos e a justa convocação dos já aprovados, diminuindo a sobrecarga de trabalho e melhorando o atendimento à população.”

Caso seja pressionado a aceitar a ampliação da jornada ou sofrer qualquer tipo de retaliação caso se recuse a entrar mais cedo, ou mesmo não receba as horas extras devidas, o empregado deve denunciar ao sindicato responsável por sua base. O sigilo é garantido.

Fonte: Contraf-CUT, com Seeb SP